Frete grátis nos produtos marcados

Desconto adicional de 2% em compras em quantidade

Entregamos em todo o Brasil

receba nossas ofertas

AMPICILINA 500 MG CAIXA 12 COMPRIMIDOS
Preço, Indicação, Para que Serve e Composição

ver produtos semelhantes a Ampicilina

AMPICILINA

compartilhe

Saiba pra que serve o produto Ampicilina 500 mg caixa 12 comprimidos da Ems e todas as suas principais indicações. Leia a bula completa e saiba pra que serve este e como ele funciona nos casos de antibiótico.

Ampicilina 500 mg caixa 12 comprimidos -  Ems

de R$ 21,74

por R$ 8,70

em 6x R$ 1,45 no cartão de crédito**

Venda Restrita

Por determinação da Anvisa este medicamento não pode ser comercializado pela internet. Para maiores informações entre em contato com nosso televendas: 11 3978-4007

  • 1x R$ 8,70
  • 4x** Consulte
  • 2x R$ 4,35
  • 5x** Consulte
  • 3x R$ 2,90
  • 6x** Consulte

**Juros da Administradora. Consulte a mesma para saber a taxa de juros aplicada.

simule os fretes disponíveis para sua região

Ampicilina 500 mg caixa 12 comprimidos -  Ems
entregamos em todo Brasil
ISTO É UM MEDICAMENTO, NÃO USE SEM PREESCRIÇÃO MÉDICA E ORIENTAÇÃO DO FARMACÊUTICO. AO PERSISTIREM OS SINTOMAS O MÉDICO DEVERÁ SER CONSULTADO.
  • bula



Amplacilina

ampicilina

Cápsula, Suspensão oral e Pó injetável.

USO ADULTO (cápsula)

USO ADULTO E PEDIÁTRICO (Suspensão oral e Pó injetável)

Oral (Cápsula e Suspensão oral)

Intravenoso ou Intramuscular (Pó injetável)

FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES:

Cápsula: Embalagens contendo 12 cápsulas de 500 mg

Pó para suspensão oral 50 mg/mL: Embalagem contendo 1 frasco + colher medida (60 mL após reconstituição)

Pó injetável 1g: Embalagem contendo 25 frascos-ampola + 25 ampolas diluentes de 3 mL.

Composição:

Cada cápsula contém:

ampicilina (na forma anidra)..............................................................................500 mg

excipientes* q.s.p..........................................................................................1 cápsula

*Excipientes: lactose, metilcelulose, ácido esteárico e estearato de magnésio.

B_Amplacilina_01 Página 2 27/08/2008

RDC Nº 140 de 24/09/2003

Versão 01: Essa versão não altera nenhuma anterior

Cada 1 mL de suspensão reconstituída contém:

ampicilina (na forma anidra)................................................................................50 mg

excipientes** q.s.p.................................................................................................1 mL

**Excipientes: dióxido de silício, benzoato de sódio, citrato de sódio, metilparabeno, propilparabeno, essência artificial de baunilha, essência artificial de morango, corante vermelho e sacarose.

Cada frasco-ampola de pó injetável 1 g contém:

ampicilina sódica......................................................................................................1 g

água para injeção..................................................................................................3 mL

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?

A ampicilina, substância básica da AMPLACILINA (ampicilina) é um antibiótico derivado das penicilinas que provoca morte dos germes sensíveis. Sua ação inicia-se minutos após a administração de uma dose, mantendo-se adequada por 6 horas ou mais.

POR QUE ESTE MEDICAMENTO FOI INDICADO?

A AMPLACILINA (ampicilina), está indicada no tratamento de diversas infecções causadas por microorganismos sensíveis a este medicamento. São elas:

• Infecções do trato urinário (infecções urinárias);

• Infecções do trato respiratório (amidalites, sinusites, pneumonias);

• Infecções do trato digestivo e biliar (infecções intestinais);

• Infecções localizadas ou sistêmicas (generalizadas), especialmente as causadas por germes do grupo enterococos, Haemophilus, Proteus, Salmonella e E. coli;

• Infecções bucais, extrações dentárias infectadas e outras intervenções cirúrgicas;

QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

CONTRA-INDICAÇÕES

Ampicilina está contra-indicada para pacientes com história de reações de hipersensibilidade (alergia) às penicilinas e/ou demais componentes da formulação. Também não deve ser administrada a pacientes sensíveis às cefalosporinas devido a ocorrência de reação alérgica cruzada.

PRECAUÇÕES E ADVERTÊNCIAS

Uma forma de se obter melhores resultados durante o tratamento com um antibiótico é através da obtenção de testes, antes do início do tratamento, para determinar os germes causadores da infecção em questão (culturas) e provas de sensibilidade destes germes contra o antibiótico, no caso a ampicilina (antibiograma). Deve-se ressaltar que isso pode não ser necessário em todos os casos, pois há critérios médicos que determinam, para cada caso, a indicação destes exames.

A forma injetável da medicação deve ser reservada para casos de infecções de maior gravidade, ou ainda, para pacientes inaptos a receber a forma oral.

Reações de hipersensibilidade (alergia) sérias e ocasionalmente fatais foram registradas em pacientes sob tratamento com penicilinas. Ainda que o risco seja maior na terapêutica injetável, há casos em que ocorreu com a administração oral de penicilinas. Os indivíduos com tendência a desenvolver quadros alérgicos por vários fatores e com maior freqüência, são mais susceptíveis a estas reações. História de alergias prévias, tanto a medicamentos, como a outros tipos de substâncias devem ser consideradas antes do início do tratamento com ampicilina.

Caso ocorram reações alérgicas, o paciente deve procurar o médico para iniciar o tratamento adequado e a interrupção do uso da ampicilina deve ser considerada. Reações anafiláticas (alérgicas) intensas requerem tratamento de emergência em unidades médicas especializadas.

Quando o produto for utilizado por tempo prolongado, há a possibilidade de se desenvolver quadros infecciosos graves por fungos ou mesmo bactérias, portanto estes tratamentos devem ser avaliados criteriosamente.

Sugere-se maior espaçamento das doses (a cada 12 ou 16 horas) para o tratamento de infecções sistêmicas (generalizadas).

Exames laboratoriais: Assim como para qualquer droga potente, avaliações periódicas das funções renal, hepática e hematopoética deveriam ser realizadas, especialmente durante tratamentos prolongados. Deve-se ressaltar que isso pode não ser necessário em todos os casos, pois há critérios médicos que determinam, para cada caso, a indicação destes exames.

Atenção: AMPLACILINA suspensão oral contém Açúcar, portanto, deve ser usada com cautela em portadores de Diabetes.

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS

Alopurinol: Esta associação parece predispor ao desenvolvimento de erupções cutâneas induzidas pela ampicilina.

Contraceptivos orais (anticoncepcionais): Há casos isolados de irregularidade menstrual e gravidez não planejada em pacientes recebendo contraceptivos orais associados à ampicilina.

Probenicida: Diminui a taxa de eliminação das penicilinas, prolongando e aumentando os seus níveis no sangue.

INTERAÇÕES COM ALIMENTOS E TESTES LABORATORIAIS

Interação com alimentos: A ingestão da ampicilina com alimentos deve ser evitada, pois estes dificultam a sua absorção.

Interações com testes de laboratórios: As penicilinas podem interferir com a medida da glicosúria (açúcar na urina), ocasionando falsos resultados de acréscimo ou diminuição, dependendo do método de análise utilizado.

GRUPOS DE RISCO

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Uso durante a gravidez: A segurança de ampicilina para uso durante a gravidez não foi estabelecida. Portanto, a ampicilina não deve ser utilizada por mulheres grávidas, a menos que, a critério do médico, os efeitos benéficos esperados sejam substancialmente superiores aos riscos potenciais para o feto.

Uso durante a lactação: Pequenas concentrações de ampicilina foram detectadas no leite materno. Os efeitos para o lactente, caso existam, não são conhecidos. Ampicilina deve ser administrada com cautela para mulheres que estão em fase de amamentação.

Não há contra-indicação relativa a faixas etárias.

Informe ao médico ou cirurgião-dentista o aparecimento de reações indesejáveis.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

ASPECTO FÍSICO E CARACTERÍSTICAS ORGANOLÉPTICAS

Cápsula: cápsula gelatinosa dura com tampa cor verde e corpo cor creme, contendo pó branco-amarelo claro, com leve odor característico.

Pó para suspensão oral: pó branco a levemente róseo, com odor e sabor característico de baunilha e morango. Após reconstituição a suspensão resultante apresenta-se rósea com odor e sabor de baunilha e morango.

Pó injetável: frasco-ampola contendo pó branco ou quase branco. Após reconstituição, apresenta solução límpida e incolor ou levemente amarelada.

DOSAGEM

A ampicilina é uma droga que atinge níveis no sangue eficazes quando administrada por via oral. Sendo assim, deve-se preferir esta via de administração. Nos casos de impedimento, pode-se utilizar a via injetável e passar para a via oral assim que possível.

Este medicamento é indicado para o uso em adultos e pacientes pediátricos (crianças). Uma infecção mais grave pode determinar uma dosagem maior do que as usuais em adultos.

As doses recomendadas para crianças destinam-se àquelas cujo peso não resulte em doses mais altas que para adultos.

A critério médico e de acordo com a maior ou menor gravidade da infecção recomenda-se a seguinte posologia:

INFECÇÃO

ADULTOS

CRIANÇAS

Vias Respiratórias

(amidalites, sinusites, pneumonias)

200-500mg a cada 6 horas

25-50 mg/kg/dia em doses iguais em cada 6 a 8 horas

Trato Gastrintestinal

(infecções intestinais)

500 mg a cada 6 horas

50-100 mg/kg/dia em doses iguais em cada 6 a 8 horas

Vias Geniturinárias

(infecções urinárias)

500 mg a cada 6 horas

50-100 mg/kg/dia em doses iguais em cada 6 a 8 horas

Meningite Bacteriana

8 a 14 g a cada 24 horas

100 a 200 mg/kg/dia

Não se devem utilizar doses menores que as recomendadas na tabela acima. Em infecções graves o tratamento poderá ser prolongado por várias semanas, e doses mais elevadas poderão ser necessárias.

Mesmo após cessarem todos os sintomas ou tornarem-se negativas as culturas bacterianas, os pacientes devem continuar o tratamento pelo menos por 48 a 72 horas.

As amidalites bacterianas causadas pelos estreptococos hemolíticos requerem um mínimo de 10 dias de tratamento para evitar manifestações de febre reumática ou glomerulonefrite.

Nas infecções urinárias e gastrintestinais de natureza crônica são necessárias freqüentes avaliações médicas onde podem ser indicados exames laboratoriais para a confirmação da cura bacteriológica (eliminação dos germes).

Blenorragia (gonorréia): em adultos podem ser tratadas com dose única de 3,5 g de ampicilina associada a 1,0 g de probenecida administradas simultaneamente. O

seguimento, por meio de culturas bacterianas (4 a 7 dias em homens e de 7 a 14 dias em mulheres após o tratamento), a critério médico, é indicado. O tratamento da gonorréia pode mascarar os sintomas da sífilis. Sendo assim, a possibilidade do paciente possuir ambas as patologias associadas não deve ser descartada.

COMO USAR

O preparo e a ingestão da AMPLACILINA (ampicilina) devem ser feitos de acordo com o descrito a seguir:

CÁPSULA

Deve ser ingerida com um pouco de líquido, preferencialmente água, cerca de 30 minutos a 1 hora antes das refeições.

SUSPENSÃO ORAL

Recomendações para reconstituição:

Pó para suspensão oral 60 mL: para reconstituição, adicione água filtrada dentro do frasco, aos poucos e sob agitação constante, até que a suspensão obtida atinja o volume indicado pela marca no rótulo. Após reconstituição, cada colher-medida 5 mL conterá 250 mg de ampicilina.

Após reconstituição, o produto mantém-se estável por 7 dias à temperatura ambiente (entre 15°C a 30°C). Após este prazo, despreze qualquer suspensão não utilizada.

AMPOLA INJETÁVEL

Administração intramuscular: Diluir com o diluente (água para injeção) que acompanha cada frasco e aplicar em injeção intramuscular profunda. A solução deve ser utilizada em até uma hora após a reconstituição.

Administração intravenosa direta: Diluir cada frasco de 1000 mg com 3 mL do diluente. Injetar lentamente, de modo que a injeção demore no mínimo 10 a 15 minutos. Administrações mais rápidas podem resultar em convulsões.

Administração intravenosa contínua: Diluir cada frasco de 1.000 mg com 3 mL do diluente. A seguir, a solução resultante deve ser misturada com fluidos próprios para infusão intravenosa, de tal forma que se obtenha uma concentração entre 2 e 30 mg/mL.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.

Não interrompa o tratamento sem o conhecimento de seu médico.

Não use o medicamento com o prazo de validade vencido. Antes de usar observe o aspecto do medicamento.

AMPLACILINA cápsula não pode ser partido ou mastigado.

QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE CAUSAR?

Assim como com outras penicilinas, a maioria das reações adversas estão essencialmente limitadas a reações alérgicas. Estas ocorrem com maior probabilidade em indivíduos que demonstraram reações prévias de alergia a penicilinas, ou naqueles com história de alergia, asma, febre do feno ou urticária.

Podem ser atribuídas ao uso da ampicilina as seguintes reações adversas:

Aparelho digestivo: Glossite (inflamação da língua), estomatite (feridas que podem atingir desde a cavidade oral até o estômago), náusea, vômito, enterocolite (alterações intestinais), colite pseudomembranosa e diarréia. Estas reações estão geralmente associadas ao uso oral.

Reações alérgicas: Vermelhidão na pele, urticária (coceira), dermatite esfoliativa (descamação da pele). A reação de maior gravidade é choque anafilático, tendo sido associada principalmente a administração parenteral.

Nota: urticária, erupção cutânea (feridas na pele) e reações semelhantes à doença do soro podem ser controladas com medicamentos antialérgicos. Sempre que tais reações ocorrerem, o uso da ampicilina deve ser interrompido, a menos que, na opinião do médico, a condição a ser tratada coloque em risco a vida do paciente, e somente possa ser erradicada com o uso da ampicilina. Reações anafiláticas intensas requerem o atendimento médico em unidades de urgência (prontos-socorros).

Alterações hepáticas (fígado): Uma elevação moderada nas enzimas produzidas pelo fígado tem sido ocasionalmente notada, particularmente em crianças, mas seu significado não é conhecido.

Hematológicas e linfáticas (alterações sanguíneas): Anemia e diminuição isolada dos elementos sanguíneos, como plaquetas e glóbulos brancos, têm sido ocasionalmente relatadas durante a terapêutica com penicilinas. Estas reações são usualmente reversíveis com interrupção do tratamento, e acredita-se serem fenômenos alérgicos.

O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA GRANDE QUANTIDADE DESTE MEDICAMENTO DE UMA SÓ VEZ?

As penicilinas não são muito tóxicas ao homem. Mesmo que em altas doses, é improvável que ocorram efeitos tóxicos graves.

Um risco associado à administração de altas doses por via parenteral (injetável) é o possível efeito irritante sobre o sistema nervoso central e periférico, podendo causar convulsões. Pacientes com doença renal são mais propensos a alcançar níveis sangüíneos tóxicos.

Não havendo antídoto específico, o tratamento, quando necessário, deve ser de suporte e ocorre de acordo com os sintomas que vão surgindo. Portanto, deve-se procurar atendimento médico caso isso ocorra.

ONDE E COMO DEVO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?

Conservar em temperatura ambiente (entre 15°C a 30°C) e protegida da umidade. Após reconstituição, o produto mantém-se estável por 7 dias à temperatura ambiente (entre 15°C a 30°C). Após este prazo, despreze qualquer suspensão não utilizada.

O prazo de validade do medicamento encontra-se impresso na embalagem externa. Não utilize este medicamento após a data de validade.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS AOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

CARACTERÍSTICAS FARMACOLÓGICAS

Farmacodinâmica

Ampicilina ou ácido 6[D(-)alfa-aminofenilacetamido] penicilânico, é um antibiótico bactericida, semi-sintético, derivado do núcleo fundamental das penicilinas, o ácido 6-aminopenicilânico. Relatos de estudos in vitro demonstraram sensibilidade à ampicilina para os seguintes microrganismos:

• Gram-positivos: estreptococos alfa e beta-hemolíticos; Streptococcus pneumoniae (chamado Diplococcus pneumoniae); estafilococos não produtores de penicilinase; Bacillus anthracis, Clostridia sp; Corynebacterium xerosis e a maioria das cepas de enterococos.

• Gram-negativos: Haemophylus influenzae; Proteus mirabilis e muitas cepas de Salmonella (incluindo Salmonella typhosa); Shigella e Escherichia coli.

Farmacocinética

A ampicilina é estável na presença do ácido gástrico, sendo bem absorvida pelo trato gastrintestinal. Difunde-se rapidamente na maioria dos tecidos e fluidos do organismo. A penetração no líquor e no cérebro, entretanto, somente ocorre na presença de inflamação meníngea.

A ampicilina é largamente excretada sob a forma ativa na urina. De todas as penicilinas é a que se fixa em menor grau a proteínas plasmáticas. Níveis séricos de aproximadamente 2,0 mcg/mL foram alcançados 1 a 2 horas após a administração oral de 250 mg de ampicilina para indivíduos adultos. Níveis significativos foram detectados por 6 horas. Os níveis séricos obtidos após injeção intramuscular são proporcionais à dose administrada. Níveis de aproximadamente 40,0 mcg/mL foram alcançados meia hora após injeção de 1.000 mg IM em indivíduos adultos. Níveis mais elevados podem ser obtidos com a administração endovenosa, dependendo da dose e da velocidade de infusão.

INDICAÇÕES

AMPLACILINA (ampicilina) está indicada no tratamento de infecções causadas por microrganismos sensíveis à ampicilina, tais como infecções do trato urinário,

respiratório, digestivo e biliar. Infecções localizadas ou sistêmicas especialmente as causadas por germes do grupo esterococos, infecções por bacilos gram-negativos como Neisseria gonorrhoeae, Neisseria meningitidis, Haemophilus, Shigella, Salmonella e E. coli. Também indicada nas infecções bucais, extrações infectadas e outras intervenções cirúrgicas.

CONTRA-INDICAÇÕES

Ampicilina está contra-indicada para pacientes com história de reações de hipersensibilidade às penicilinas e/ou demais componentes da formulação. Não deve ser administrada a pacientes sensíveis às cefalosporinas devido a ocorrência de reação alérgica cruzada.

MODO DE USAR E CUIDADOS DE CONSERVAÇÃO DEPOIS DE ABERTO

CÁPSULA:

As cápsulas de AMPLACILINA (ampicilina) devem ser deglutidas com um pouco de líquido. A ingestão de alimentos interfere na absorção de ampicilina, portanto recomenda-se sua tomada 30 minutos a 1 hora antes das refeições.

SUSPENSÃO ORAL:

Recomendações para reconstituição:

Pó para suspensão oral - 60 mL: Para reconstituição, adicione água filtrada dentro do frasco, aos poucos e sob agitação constante, até que a suspensão obtida atinja o volume indicado pela marca no rótulo. Após reconstituição, cada colher-medida 5 mL conterá 250 mg de ampicilina.

Após reconstituição, o produto mantém-se estável por 7 dias à temperatura ambiente (entre 15°C a 30°C). Após este prazo, despreze qualquer suspensão não utilizada.

AMPOLA INJETÁVEL

Administração intramuscular: Diluir com o diluente (água para injeção) que acompanha cada frasco e aplicar em injeção intramuscular profunda. A solução deve ser utilizada em até uma hora após a reconstituição.

Administração intravenosa direta: Diluir cada frasco de 1000 mg com 3 mL do diluente e injetar lentamente, de modo que a injeção demore no mínimo 10 a 15 minutos. Administrações mais rápidas podem resultar em convulsões.

Administração intravenosa contínua: Diluir cada frasco de 1.000 mg com 3 mL do diluente. A seguir, a solução resultante deve ser misturada com fluidos próprios para infusão intravenosa, de tal forma que se obtenha uma concentração entre 2 e 30 mg/mL. Estudos de estabilidade com a ampicilina sódica, em várias soluções para infusão intravenosa, indicam que a droga perderá menos de 10% de sua atividade, à temperatura de 21°C, nas seguintes soluções, concentrações e nos tempos indicados:

SOLUÇÃO INTRAVENOSA

CONCENTRAÇÃO

TEMPO

Água estéril para injeção

Até 30 mg/mL

8 horas

Solução isotônica de cloreto de sódio

Até 30 mg/mL

8 horas

Solução M/6 lactato de sódio

Até 30 mg/mL

8 horas

Soro glicosado 5%

Até 2 mg/mL

4 horas

Soro glicosado 5%

10-20 mg/mL

2 horas

Soro glicosado 10%

Até 2 mg/mL

4 horas

Soro glicofisiológico a 5%

Até 2 mg/mL

4 horas

Solução Ringer lactato

Até 30 mg/mL

8 horas

NOTA: As penicilinas, incluindo a ampicilina sódica, não devem ser misturadas com aminoglicosídeos, seja na mesma seringa ou no mesmo fluido para injeção, visto que pode ocorrer inativação física da droga.

POSOLOGIA

A garantia de níveis sangüíneos eficazes em virtude de sua estabilidade no meio gastrintestinal indica a via oral para a administração da ampicilina. Nos impedimentos, usar a via injetável, passando à via oral assim que possível.

A critério médico e de acordo com a maior ou menor gravidade da infecção recomenda-se a seguinte posologia:

INFECÇÃO

ADULTOS (*)

CRIANÇAS (**)

Vias Respiratórias

200-500 mg a cada 6 horas

25-50 mg/kg/dia em doses iguais em cada 6 a 8 horas

Trato Gastrintestinal

500 mg a cada 6 horas

50-100 mg/kg/dia em doses iguais em cada 6 a 8 horas

Vias Geniturinárias

500 mg a cada 6 horas

50-100 mg/kg/dia em doses iguais em cada 6 a 8 horas

Meningite Bacteriana

8 a 14 g a cada 24 horas

100 a 200 mg/kg/dia

(*) Podem ser necessárias doses maiores para infecções graves.

(**) As doses recomendadas para crianças destinam-se àquelas cujo peso não resulte em doses mais altas que para adultos.

Doses menores que as recomendadas na tabela acima não devem ser utilizadas. Em infecções graves o tratamento poderá ter que ser prolongado por várias semanas, e mesmo doses mais elevadas poderão ser necessárias. Os pacientes devem continuar o tratamento pelo menos por 48 a 72 horas após cessarem todos os sintomas ou tornarem-se negativas as culturas. As infecções por estreptococos hemolíticos requerem um mínimo de 10 dias de tratamento para evitar manifestações de febre reumática ou glomerulonefrite. Nas infecções crônicas das vias geniturinárias e gastrintestinais são necessárias freqüentes avaliações bacteriológicas e clínicas, assim como exames pós-tratamento repetidos por vários meses, para confirmação de cura bacteriológica.

Infecção por Neisseria gonorrhoeae: infecções uretrais, cervicais, retais e faringeanas em adultos podem ser tratadas com dose única de 3,5 g de ampicilina associada a 1,0 g de probenecida administradas simultaneamente. Deve-se realizar seguimento, por meio de culturas, de 4 a 7 dias em homens e de 7 a 14 dias em mulheres, após o tratamento. Todos os pacientes com gonorréia deveriam possuir testes sorológicos para sífilis na época do diagnóstico. Pacientes com posologia negativa, que não apresentem lesão suspeita de sífilis deveriam fazer seguimento de controle com sorologia mensal durante 4 meses, para detectar possível sífilis mascarada pelo tratamento de gonorréia. Pacientes com gonorréia, que apresentam sífilis concomitante, devem receber tratamento adicional apropriado para sífilis de acordo com seu estágio.

ADVERTÊNCIAS

Recomenda-se a realização de testes bacteriológicos para determinação dos microrganismos causadores do processo infeccioso, assim como a sensibilidade destes à ampicilina, antes da instituição de qualquer medicação antimicrobiana. Para se determinar a susceptibilidade relativa in vitro pelo método Kirby-Bauer, deve-se utilizar discos de ampicilina de 10 mcg. É conveniente reservar a forma injetável da medicação para casos de infecções de maior gravidade (endocardites, sepses, meningoencefalites, entre outras)

ou ainda, para pacientes inaptos a receber a forma oral. Reações de hipersensibilidade sérias e ocasionalmente fatais foram registradas em pacientes sob tratamento com penicilinas. Ainda que a anafilaxia seja mais freqüente como conseqüência da terapêutica injetável, há casos em que ocorre com a administração oral de penicilinas. Indivíduos com hipersensibilidade a múltiplos alérgenos são mais susceptíveis a estas reações. Têm sido descritos casos de indivíduos com história de hipersensibilidade a penicilinas os quais apresentaram reações intensas quando tratados com cefalosporinas. Antes de se iniciar terapêutica com penicilinas deve-se realizar anamnese criteriosa sobre história de hipersensibilidade às penicilinas, cefalosporinas ou outros alérgenos. Caso ocorram reações alérgicas, deve-se instituir tratamento adequado e considerar a interrupção do uso da ampicilina. Reações anafiláticas intensas requerem tratamento de emergência com adrenalina, oxigênio, corticosteróides endovenosos e controle respiratório, incluindo entubação, se necessário. A possibilidade de superinfecção por patógenos micóticos ou bacterianos deve ser avaliada quando o produto for utilizado por tempo prolongado. Nestes casos, deve-se instituir terapêutica adequada. Sugere-se maior espaçamento das doses (a cada 12 ou 16 horas) para o tratamento de infecções sistêmicas, embora doses usuais possam ser empregadas para infecções do trato urinário.

Uso durante a gravidez: A segurança de ampicilina para uso durante a gravidez não foi estabelecida. Não deverá ser utilizada por mulheres grávidas, a menos que, a critério do médico, os efeitos benéficos esperados sejam substancialmente superiores aos riscos potenciais para o feto.

Uso durante a lactação: Pequenas concentrações de ampicilina foram detectadas no leite materno. Os efeitos para o lactente, caso existam, não são

conhecidos. Ampicilina deve ser administrada com cautela para mulheres que estão em fase de amamentação.

Carcinogênese, mutagênese e prejuízo da fertilidade: A ampicilina demonstrou-se não mutagênica nos testes de Ames. Não foram realizados estudos de longa duração em animais para avaliar o potencial carcinogênico. Efeitos deletérios sobre a fertilidade humana não são conhecidos.

Exames laboratoriais: Assim como para qualquer droga potente, avaliações periódicas das funções renal, hepática e hematopoética deveriam ser realizadas, durante tratamentos prolongados.

Uso em portadores de insuficiência hepática e/ou renal: Pode haver acúmulo de ampicilina em pacientes com comprometimento intenso da função renal (clearance de creatinina menor que 30 mL/minuto).

Efeitos sobre a habilidade de dirigir veículos e/ou operar máquinas: Não há evidências de que a ampicilina diminua a habilidade de dirigir veículos e/ou operar máquinas.

Categoria C de risco na gravidez: Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Atenção: AMPLACILINA suspensão oral contém Açúcar, portanto, deve ser usada com cautela em portadores de Diabetes.

USO EM IDOSOS, CRIANÇAS E OUTROS GRUPOS DE RISCO

Seguir orientações anteriores.

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS

Pacientes recebendo alopurinol para o tratamento de hiperuricemia parecem estar predispostos ao desenvolvimento de erupções cutâneas induzidas pela ampicilina. A ampicilina tem sido associada com uma redução na excreção urinária de estrógenos endógenos em pacientes grávidas e casos isolados de irregularidade menstrual e gravidez não planejada em pacientes recebendo contraceptivos orais. A probenecida diminui a taxa de excreção das penicilinas, assim como prolonga e aumenta os seus níveis séricos.

Interação com testes de laboratório: As penicilinas podem interferir com a medida da glicosúria realizada com o método do sulfato de cobre, ocasionando falsos resultados de acréscimo ou diminuição. esta interferência não ocorre com o método da glicose oxidase.

REAÇÕES ADVERSAS A MEDICAMENTOS

Assim como com outras penicilinas, a maioria das reações adversas estão essencialmente limitadas a reações de hipersensibilidade. Estas ocorrem com maior probabilidade em indivíduos que demonstraram reações prévias de hipersensibilidade a penicilinas, ou naqueles com história de alergia, asma, febre do feno ou urticária. Podem ser atribuídas ao uso da ampicilina as seguintes reações adversas:

Gastrintestinais: Glossite, estomatite, náusea, vômito, enterocolite, colite pseudomembranosa e diarréia. Estas reações estão geralmente associadas a forma farmacêuticas de uso oral.

Reações de hipersensibilidade: Eritema maculopapular, eritema multiforme, urticária, dermatite esfoliativa. A anafilaxia é a reação mais séria ocorrida, tendo sido associada principalmente a administração parenteral.

Nota: Urticária, erupção cutânea e reações semelhantes à doença do soro podem ser controladas com anti-histamínicos e, se necessário,

corticosteróides sistêmicos. Sempre que tais reações ocorrerem, o uso da ampicilina deve ser interrompido, a menos que, na opinião do médico, a condição a ser tratada coloque em risco a vida do paciente, e somente possa ser erradicada com o uso da ampicilina. Reações anafiláticas intensas requerem uso imediato de adrenalina, oxigênio e corticosteróides endovenosos.

Hepáticas: Uma elevação moderada na transaminase glutâmica-oxalacética (TGO) tem sido ocasionalmente notada, particularmente em crianças, mas seu significado não é conhecido.

Hematológicas e linfáticas: Anemia, trombocitopenia, púrpura trombocitopênica, eosinofilia, leucopenia e agranulocitose têm sido ocasionalmente relatadas durante a terapêutica com penicilinas. Estas reações são usualmente reversíveis com interrupção do tratamento, e acredita-se serem fenômenos de hipersensibilidade.

SUPERDOSE

As penicilinas apresentam toxicidade direta mínima ao homem. É improvável que efeitos tóxicos graves resultem de ingestão, mesmo que em largas doses. O perigo potencial associado à administração de altas doses por via parenteral é o possível efeito irritante sobre o sistema nervoso central e periférico, podendo causar ataque epileptiforme. Pacientes com disfunção renal são mais susceptíveis a alcançar níveis sangüíneos tóxicos. Não havendo antídoto específico, o tratamento, quando necessário, deve ser de suporte. A ampicilina pode ser removida por hemodiálise, mas não por diálise peritoneal. Devido ao sódio presente na AMPLACILINA (ampicilina) injetável, aconselha-se a monitorização de eletrólitos sangüíneos nos pacientes, principalmente naqueles com tendência a hipernatremia. Cada grama de AMPLACILINA (ampicilina) injetável contém 61,9 mg (2,7 mEq) de sódio.

ARMAZENAGEM

Conservar em temperatura ambiente (entre 15°C a 30°C) e protegido da umidade. Após reconstituição, o produto mantém-se estável por 7 dias à temperatura ambiente (entre 15°C a 30°C). Após este prazo, despreze qualquer suspensão não utilizada.

O prazo de validade do medicamento encontra-se impresso na embalagem externa.

Lote, data de fabricação e validade: vide embalagem externa.

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA.

M.S.: 1.0043.0687.

Farm. Resp.: Dra. Sônia Albano Badaró – CRF-SP 19.258

Fabricado por:

EUROFARMA LABORATÓRIOS LTDA.

Rua Enéas Luiz Carlos Barbanti, 216

São Paulo - SP

EUROFARMA LABORATÓRIOS LTDA

Av. Vereador José Diniz, 3.465 - São Paulo - SP

CNPJ: 61.190.096/0001-92

Indústria Brasileira