Frete grátis nos produtos marcados

Desconto adicional de 2% em compras em quantidade

Entregamos em todo o Brasil

receba nossas ofertas

FORTEN SOL CAIXA 10 FRASCO X 10 ML
Preço, Indicação, Para que Serve e Composição

ver produtos semelhantes a Forten

FORTEN

compartilhe

Saiba pra que serve o produto Forten sol caixa 10 frasco x 10 ml da Farmalab e todas as suas principais indicações. Leia a bula completa e saiba pra que serve este e como ele funciona nos casos de tônico e reconstituinte.

Forten sol caixa 10 frasco x 10 ml -  Farmalab

de R$ 40,76

por R$ 34,65

em 6x R$ 5,78 no cartão de crédito**

  • 1x R$ 34,65
  • 4x** Consulte
  • 2x R$ 17,33
  • 5x** Consulte
  • 3x R$ 11,55
  • 6x** Consulte

**Juros da Administradora. Consulte a mesma para saber a taxa de juros aplicada.

simule os fretes disponíveis para sua região

Forten sol caixa 10 frasco x 10 ml -  Farmalab
entregamos em todo Brasil
  • bula

Laboratório
Farmalab

Apresentação de Forten
Líquido: cx. c/ 10 fr. de 10 ml para preparação extemporânea.

Forten - Informações
Cada 10 ml após a mistura extemporânea contém: Cloridrato de arginina... 100 mg fosfoserina ... 40 mg fosfotreonina ... 10 mg glutamina ... 60 mg triptofana ... 40 mg cloridrato de hidroxocobalamina ... 500 mcg Veículo aromatizado q.s.p. ... 10 ml Excipientes: sorbitol, benzoato de sódio, essência de laranja, manitol, povidona e água purificada. Forten, é uma associação dos principais aminoácidos na forma levógira (biologicamente ativa) e hidroxocobalamina, que visa fornecer ao organismo substâncias biológicas necessárias para a normalização do metabolismo, principalmente do SNC e do sistema muscular. A arginina é um dos aminoácidos participantes do ciclo de Krebs-Henseleit e, desta forma, constitui um fator de troca tanto dos processos proteoanabólicos, a partir dos carboidratos, quanto dos processos catabólicos, com eliminação dos radicais amoníacos, tóxico para o organismo. Sendo um constituinte universal das proteínas, ela intervém na síntese dos albuminóides, das proteínas enzimáticas, das nucleoproteínas, da hemoglobina, das proteínas plasmáticas e de todas as demais proteínas. Sua metabolização se realiza segundo dois mecanismos essenciais e sempre complementares: a desaminação oxidativa, assegurando a conservação do radical guanídico e sua utilização na síntese da creatinina, e ahidrólise enzimática, pela ação de uma enzima específica, a arginase. A presença de taxas elevadas de arginases nos múltiplos tecidos e, em particular, naqueles cuja atividade celular é importante (fígado, rins, glândulas mamárias, testículos, etc.) torna possível sua utilização nas várias sínteses do anabolismo protéico. A arginina é o único vetor do grupamento guanidico indispensável à síntese da creatinina e, portanto, da fosfocreatinina, além de poder dar lugar ao ácido glutâmico após ter sido cindida pela arginase. A fosfoserina e a fosfotreonina são dois aminoácidos fosforilados reconhecidos como indispensáveis para a formação da maior parte das fosfoproteína cerebrais, intervindo ainda na síntese dos ácidos nucléicos. Ambos compostos apresentam importante função energética por participarem, através dos seus radicais fosfóricos, da síntese do ATP a partir do ADP. As ligações fosfóricas ricas em ATP são, provavelmente, as únicas fontes de energia que estão à disposição imediata das células. Desta forma, atribui-se aos fosfolipídios, entre eles a fosfoserina e a fosfotreonina, a capacidade de normalizar a atividade enzimática das membranas, principalmente na ocorrência de hipóxica, e de melhorar as relações glicogêneo/glicose e lactato/piruvato cerebrais, assim como a síntese catecolamínica. Administradas conjuntamente, elas potencializam reciprocamente seus efeitos. A serina, liberada da fosfoserina, intervém na síntese da colina que é em seguida acetilada pela acetilcoenzima-A para formar a acetilcolina, enquanto que a treonina, advinda da fosfotreonina, pode conduzir ao glicogênio por intermédio do ácido propiônico. A glutamina, metabólito fisiológico da célula nervosa, é facilmente absorvida pelo tubo digestivo e, ao contrário do ácido glutâmico, atravessa a barreira hematoencefálica, apresentando um tropismo importante para o sistema nervoso, com múltiplas funções no interior da célula nervosa, porque intervém na formação intermediária dos carboidratos (ciclo de Krebs) com formação de ATP, no equilíbrio eletrolítico das membranas, especialmente o potássio, na elaboração da acetilcolina, nos processos de transaminação, favorecendo a síntese de alguns aminoácidos e, assim, da síntese protéica e no sistema ácido glutâmico/glutamina responsável pela neutralização e eliminação do amoníaco formado nos tecidos cerebrais, o qual pode provocar fenômenos convulsivos quando em excesso. Recentemente ficou claro que a glutamina é o substrato energético preferencial dos enterócitos e atua como imunomodulador. A deficiência de glutamina afeta a estrutura e a função do trato gastrintestinal, favorece a translocação bacteriana e reduz a atividade dos linfócitos e macrófagos. O triptofana é um aminoácido essencial que é indispensável à síntese de muitas proteínas e cujo metabolismo segue três vias principais: formação de 5-hidroxitriptamina ou serotonina, de ácido nicotínico ou vitamina PP e de ácido xanturênico. Como precursor da serotonina, que tem um papel importante na transmissão do influxo nervoso, o triptofana exerce uma ação antidepressiva, além de atuar na qualidade do sono. O triptofana ajuda ainda, a célula normal a vencer a fadiga devida ao esgotamento, uma vez que a serotonina coordena a atividade simpática com as atividades somatomotoras, determinando um comportamento protetivo e recuperativo. A hidroxocobalamina e ativadora do metabolismo, pois a cobalamina parece estar envolvida, pelo menos indiretamente, em todos os sistemas metabólicos conhecidos no homem. Dos seus efeitos bioquímicos resulta uma aceleração dos processos metabólicos ao nível das células nervosas e um aumento dos processos de regeneração dos tecidos ao nível dos epitélios. Ela participa, pelo controle do ácido fólico, na produção de bases piramídicas e púricas, constituintes indispensáveis à biossíntese dos ácidos nucléicos, além de facilitar a síntese dos complexos lipídicos, a utilização hepática dos ácidos graxos e de aumentar a tolerância aos glicídios. O sorbitol é uma substância adoçante que ocorre naturalmente e que após a absorção pelo trato gastrintestinal se transforma em frutose. O sorbitol aumenta a absorção da vitamina B12 pela mucosa intestinal e, assim como os demais glicídios, favorece a utilização nitrogenada. Não está contra-indicado para os diabéticos. Devido a estas características, Forten possui ações destoxificante, energizante e reconstituinte.

Forten - Indicações
Como tônico energizante e reconstituinte.

Contra-indicações de Forten
Não são conhecidas até o momento.

Advertências
Os componentes do produto, por serem biológicos e naturais não causam hábito e nem dependência. Precauções: Informe seu médico sobre qualquer medicamento que esteja utilizando, antes do início ou durante o tratamento.

Uso na gravidez de Forten
Por conter somente constituintes naturais, não existe restrições ao seu uso durante os períodos de gestação e amamentação.

Interações medicamentosas de Forten
Não foram relatados, até o momento, incompatibilidades com outros fármacos, substâncias ou alimentos durante o tratamento com o produto.

Reações adversas / Efeitos colaterais de Forten
Ainda não são conhecidas a intensidade e a frequência das reações adversas com o uso do produto.

Forten - Posologia
Adultos: 1 ou 2 frascos por via oral, diariamente, de preferência em jejum, por 2 a 3 semanas. Crianças: 1 frasco por via oral, diariamente, de preferência em jejum, por 2 a 3 semanas.

Superdosagem
Não foram reportados sintomas de superdosagem.